2015 – Semana 09: Da morte de gays à foto do modelo Aydian Dowling

0
8
views

Olá amigos,

Vamos conferir o que foi destaque na nona semana do ano.

41 homossexuais foram assassinados neste ano

Antes de raiar o terceiro mês deste 2015 já se somam 41 vítimas letais de homofobia nas nossas terras verde-e-amarelo.

Os dados são do Grupo Gay da Bahia (GGB), cujo presidente já comentou sobre os números absurdos: “Dos crimes ocorridos contra homossexuais no mundo, 50% são registrados no Brasil. No ano passado, tivemos 326 assassinatos, o que representa um homicídio a cada 27 horas. Isso só prova o quanto existe uma má vontade e omissão do poder executivo e do legislativo na criminalização da homofobia”.

Via

Rafael Cardoso em defesa de todas as famílias

O ator Rafael Cardoso posou junto com sua esposa, filha, sogra e demais familiares para a campanha de defesa de todos os tipos de família #emdefesadetodasasfamílias.

A campanha é uma resposta às ações do presidente da Câmara dos Deputados.

“Família é amor, não importa a orientação sexual ou parentesco biológico. Não vamos deixar o Congresso impedir que TODAS as famílias unidas pelo amor possam ser reconhecidas como famílias de verdade”, disse.

Parabéns e sucesso a essa família linda!

Via

Rejeitado por heterossexuais, mas acolhido pelos homossexuais.

Outra ação para a campanha #emdefesadetodasasfamílias foi o relato do jornalista Gilberto Scofield Jr.

Ele conta o que aconteceu com o menino PH hoje com cinco anos.

Ele é filhos de pais alcoólatras e a mãe faleceu devido a complicações do vício e o pai não quis mais cria-lo e o entregou para adoção no Lar Mãe Dolores em Capelinha no Vale do Jequitinhonha – MG.

Uma mulher solteira de SP chegou adota-lo, mas foi denunciada pelo próprio irmão e uma vizinha por maus tratos.

Outros dois casais também o rejeitaram por acha-lo feio e um por acho negro demais.

Mas longe dali, no Rio de Janeiro, um casal de homossexuais masculinos estava habilitados pela Vara da Família do Rio de Janeiro e aguardava a oportunidade de adotar uma criança.

O encontro dos três aconteceu no Lar Mãe Dolores e precisou apenas de quinze minutos para estarem integrados.

Juntos no Rio, o menino já está matriculado no pré-escolar, faz ginástica e natação e demonstra ser uma criança feliz.

Eles aproveitam para dar um recado: “nós – eu, meu companheiro, nosso filho PH, nossos dois gatos e nosso cachorrinho – somos uma família como qualquer outra família do país”.

Nenhum integrante do congresso nacional não tem o direito de determinar o que é família num mundo em transformação e num país onde o percentual de famílias chefiadas por mulheres passou de 22,2% para 37,3%, entre 2000 e 2010, segundo dados mais recentes do Censo Demográfico de 2010. Isso não torna as adoções lideradas por casais homossexuais mais perfeitas ou melhores que as adoções feitas por casais heterossexuais. Simplesmente não há diferença constatada por qualquer estudo científico sério.

Via

O sucesso de Aydian Dowling

Essa semana o modelo trans Aydian Dowling chamou a atenção não só para si, mas também para a causa do homem trans.

Ele foi capa da revista FTM Magazine e foi chamado depois de publicar vídeos em que mostrava os vários momentos da transição de gênero.

O que mais impressionou foi a boa forma do gato, além do charme visível em suas fotos.

Principalmente aqui no Brasil é muito comentado sobre a mulher trans, mas o homem trans ainda é um tabu.

Ações assim são muito bem vindas.

Via

Iphone vai ter emojis de raças diferentes e famílias com casais gay

A Apple tem afirmado que quer aumentar a diversidade dentro da empresa e as próximas atualizações do seu software vão refletir este alinhamento. Vários tons de pele e famílias alternativas, com casais gays e dois filhos ou casais de lésbicas com uma filha, estarão disponíveis no teclado de emojis dos aparelhos Apple.

Via

Decreto garante uso do nome social a gays, lésbicas e transgêneros em Betim

Desde quinta-feira, 26 de fevereiro, gays, lésbicas e transgêneros poderão usar seus nomes sociais em registros, prontuários e cadastros em todos os órgãos ligados à administração municipal de Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. O nome social é aquele que a pessoa escolhe ser chamada e não o registrado em documentos.

Via

Em carta para mãe de gay, Freud diz que não há nada que se envergonhar

Em 1935, Sigmund Freud respondeu carta de uma mãe preocupada com seu filho gay. A resposta do criador da psicanálise deixa claro que ele não acreditava que a homossexualidade fosse uma doença. Sua crença era de que toda pessoa nasce bissexual e a orientação sexual é definida mais adiante.

Ele faz referências a vários gays célebres, como Platão, Michelangelo e Leonardo Da Vinci, garantindo à mãe: “É uma grande injustiça perseguir a homossexualidade como crime – e uma crueldade, também. Se você não acredita em mim, leia os livros de Havelock Ellis”. Ellis (1859-1939), médico e psicólogo britânico, estudou a sexualidade e foi co-autor do primeiro livro britânico sobre homossexualidade, lançado em 1897.

Via

E na semana que vem eu volto.

Abraços, Sam.

Deixe uma resposta