2015 – Semana 19: Da proibição de terapia para jovens gays ao ataque do cartunista homofóbico

0
9
views

Olá amigos,

Por mais que estejamos cansados de ver sempre do mesmo, sempre há alguma coisa que nos surpreenda, mesmo que negativamente.

É inacreditável que atores ainda sejam hostilizados por personagens e pior ainda, por pessoas que são estudadas e “referências” em suas profissões.

E enquanto os “conservadores” continuam achando que homofobia é problema de gays, dois amigos sofreram ataques homofóbicos porque se abraçaram para uma foto.

Essas notícias e outras matérias vocês podem acompanhar abaixo.

 

SUPREMA CORTE AMERICANA PROÍBE TERAPIA PARA JOVENS GAYS

A Suprema Corte dos Estados Unidos confirmou a proibição das terapias que buscam reverter a orientação sexual de jovens gays.

De acordo com uma lista divulgada, a mais alta jurisdição do país confirmou a proibição em Nova Jersey (leste) de uma terapia para crianças com tendências homossexuais.

A Suprema Corte não fez comentários sobre este documento que lista todos os casos rejeitados.

No caso King versus Christie, militantes contra os direitos dos gays, queriam autorizar uma terapia destinada aos jovens homossexuais para reverter sua orientação sexual. O governador de Nova Jersey, Chris Christie, havia proibido tal tratamento e um tribunal de apelações confirmou esta proibição.

Em junho de 2014, o mais alto órgão judicial já havia se recusado a se pronunciar sobre uma terapia semelhante na Califórnia (oeste).

Em 1973, a Associação Psiquiátrica Americana decidiu que a homossexualidade não é um transtorno mental e que não pode ser tratada mediante terapia.

A Suprema Corte tomará uma decisão histórica no final de junho sobre a constitucionalidade do casamento gay em todo o país.

Via

 

CÂMERA DO BEIJO MOSTRA CASAL GAY E TORCEDORES VIBRAM NOS EUA

A câmera do beijo é algo normal em eventos esportivos nos Estados Unidos. Na partida em que o anfitrião Los Angeles Dodgers derrotou o Arizona Diamondbacks por 6 a 4, pela MLB, a liga americana de beisebol, a imagem mostrou vários casais, entre eles um gay. Assim que apareceram no telão do estádio, os dois homens se beijaram e levaram os torcedores ao delírio.

Via

 

CONTRA PRECONCEITO, ESTUDANTES USAM GRAVATAS COR DE ROSA EM AULAS NA USP

Alunos e professores da Faculdade de Economia e Administração (FEA), da Universidade de São Paulo (USP), passaram a usar gravatas cor de rosa durante as aulas no campus de Ribeirão Preto (SP) para protestar contra casos de preconceito envolvendo estudantes gays.

Segundo os idealizadores da campanha “Há cores por aqui”, existe machismo e homofobia dentro da faculdade.

A direção da FEA afirmou que apoia o movimento dentro da universidade e informou que nenhuma denúncia de homofobia envolvendo alunos foi formalmente prestada à instituição.

Segundo o estudante de economia Felipe Maia, o preconceito contra gays é presente dentro da faculdade. “Há um preconceito mascarado e a gente nota que na faculdade como um todo temos um ambiente conservador”, afirma o aluno que cursa o segundo ano do curso. “O preconceito se manifesta por um olhar torto ou um comentário atravessado”, diz.

Símbolo

A peça do vestuário masculino foi escolhida para ser usada durante a campanha por ser um dos símbolos do curso de economia. “É uma faculdade de negócios, majoritariamente composta por homens e que tem uma identidade machista e pouco aberta a mulheres”, comenta o aluno Lucas Henrique Ribeiro, um dos idealizadores da campanha. “Por meio de piadinhas as pessoas vão soltando a ideologia que elas resguardam”.

Leonardo Veras foi um dos 100 estudantes que já vestiram a gravata cor de rosa desde o início da campanha, na quinta-feira (30). Heterossexual, admite que sofreu resistência por parte de outros amigos, contrários à campanha em apoio à causa gay dentro da USP. “Vi um certo repúdio por parte dos meus amigos, vieram me perguntar se eu estava louco, e é possível sentir como os gays se sentem”, explica. “O que muda se eu fosse gay ou não?”, questiona Veras.

Alguns professores também começaram a usar a gravata para dar aulas. “Apoio a campanha porque a intolerância no Brasil vem crescendo. A gente vê intolerância com os gays, com a mulher, os negros, além disso, é uma oportunidade interessante até para interagir com os alunos e interagir com a sociedade, porque a faculdade é um pedaço disso”, afirma o professor Jair Silvério dos Santos, do Departamento de Computação e Matemática da USP.
‘Nossa faculdade também é gay’

Além da gravata, um selo em apoio à campanha também está sendo usado no Facebook e estudantes incluíram nas fotos do perfil na rede social o carimbo com a frase “nossa faculdade também é gay”. “Duas horas depois que lançamos a imagem tivemos a repercussão, em parte negativa e em outra parte positiva, e causou o que a gente queria, a discussão”, diz a aluna Eleonora de Oliveira.

Segundo os entusiastas da campanha, o próximo passo é abranger a discussão, para o mercado de trabalho. “É preciso entender que há executivos gays, lésbicas e transgêneros, e a proposta é causar essa aproximação, dizendo que o gay também está nesse ramo”, comenta Ribeiro. Cartazes estão espalhados pelo prédio da faculdade com fotos de executivos, artistas e intelectuais que também são gays.

FEA/USP

A direção da Faculdade de Economia e Administração da USP de Ribeirão afirmou em nota que também apoia a campanha iniciada pelos estudantes. “Toda forma de debate e troca de ideias sobre essa temática e realidade serve para desconstruir mitos e preconceitos que conduzem qualquer tipo de discriminação”, informa.

A direção afirmou também que nenhuma denúncia de homofobia foi formalmente prestada e que trabalha em um projeto de conscientização que abordará “todo o tipo de preconceito”, diz a nota. “Esse projeto envolverá alunos, professores e funcionários e deverá ser divulgado oportunamente”.

Via

 

CUBANOS PLANEJAM CASAMENTO SIMBÓLICO DE GAYS E TRANSEXUAIS

Ativistas cubanos dos direitos gays, liderados pela filha do presidente Raúl Castro, planejam realizar um casamento simbólico coletivo para promover a aceitação de homossexuais e transexuais num país que já foi notoriamente hostil em relação a eles.

A cerimônia será parte de uma parada do orgulho gay anual e será simbólica porque o casamento entre pessoas do mesmo sexo é ilegal em Cuba, disse Mariela Castro a repórteres. Ela afirmou que o evento será discreto porque a sociedade cubana ainda não está preocupada com plenos direitos às pessoas lésbicas, gays, bissexuais e transgêneras.

“Não podemos fazer um casamento, mas queríamos ter uma celebração muito modesta de amor com alguns líderes religiosos”, disse Mariela, chefe do Centro Nacional de Educação Sexual e membro da Assembleia Nacional de Cuba. “No futuro, vamos ver o que mais podemos fazer.”

Os líderes religiosos cubanos que devem participar serão cristãos evangélicos, disse ela. A religião predominante de Cuba é o catolicismo romano.

A cerimônia foi inspirada no casamento coletivo de mais de 100 casais no evento da Parada Mundial em Toronto, no Canadá, em junho do ano passado, disse ela.

Via

 

PROJETO EM FORTALEZA PROPÕE ISENÇÃO DE IMPOSTOS PARA EMPRESA QUE CONTRATAR TRAVESTIS E TRANSEXUAIS

Um projeto referente ao público LGBT foi aprovado na Câmara Municipal de Fortaleza, o projeto propõe a isenção de impostos para empresas que contratarem o mínimo de 10% de profissionais travestis ou transexuais. Agora, falta apenas a avaliação da Prefeitura para que a proposta seja sancionada.

Alterando a Lei Complementar nº 159, a indicação adiciona o trecho no artigo 227. Sob autoria da vereadora Toinha Rocha, a justivicativa é de inclusão do público LGBT, promovendo o bem de todos. “O preconceito afasta as pessoas transgêneros da escola, reduz oportunidades de trabalho e abre as portas da prostituição”.

Via

 

AMIGOS SÃO ESPANCADOS APÓS SEREM CONFUNDIDOS COM CASAL GAY

Dois adolescentes, de 15 anos, foram brutalmente espancados após se abraçarem para tirar uma foto na praia do Recreio, na zona oeste do Rio. Os amigos foram confundidos com um casal gay e, por isso, foram agredidos por um grupo formado por 15 homens.

Um dos adolescentes ainda está com o olho roxo. Após ser agredido, ele desmaiou. O espancamento durou cerca de dez minutos. O jovem foi levado inconsciente para o hospital. Ele disse que tudo começou com uma provocação dos agressores.

“Eu estava com um amigo e puxaram a touca dele. Aí, eu fui falar com eles. Um deles tentou me dar um soco e eu abaixei. Na hora que eu abaixei alguém me deu um chute pelas costas e eu caí. Nesse momento começaram a pisar, chutar”, contou um dos meninos.

Traumatizado, o jovem não quer mais sair de casa, e evita até ir à escola. Ele afirma que teme novas agressões. “Eu acho que as pessoas têm a mente muito quadrada, porque eles não sabem o que é amizade, provavelmente eles não têm amigos”, disse.

A mãe de uma das vítimas disse que o caso de homofobia deixou a família assustada. “A intolerância foi claramente homofóbica e isso atinge a todos. Eu posso estar de mãos dadas com a minha filha, me confundirem e quererem me espancar. Como uma pessoa que defende a liberdade e o respeito, isso me abalou profundamente”, desabafou.

Revoltada, a mãe do jovem relatou o episódio nas redes sociais. No texto, ela diz que a homofobia chegou a um nível tão extremo que dois amigos não podem se abraçar, independente da sexualidade, que já são considerados gays e, por isso, dignos de uma surra. Várias pessoas lamentaram o ocorrido e pediram punição dos culpados.

Via

 

AMERICANA ENTRA COM AÇÃO NA JUSTIÇA CONTRA TODOS OS HOMOSSEXUAIS DA TERRA

Uma americana do estado do Nebraska, nos Estados Unidos, entrou com uma ação na Justiça na terça-feira (5) contra todos os homossexuais da Terra, informou o site “NBC

Autointitulada de embaixadora de Deus e Jesus Cristo, Sylvia Driskell, 66, pede que as autoridades daquele país não permitam que a homossexualidade seja permitida por lei, pois, segundo ela, vai contra os princípios divinos.

Em uma carta de sete páginas enviada à corte distrital, ela citou passagens bíblicas que descrevem a homossexualidade como uma abominação e um ato contra anatureza. A americana afirmou ainda que nunca antes seu país fora tão “sitiado pelo pecado”.

“Será que todos os juízes desta nação tomarão Deus por mentiroso?”, perguntou na carta. A mulher justificou o processo dizendo ser imperativo defender os princípios morais em que sua nação foi fundada.

Mas em um parecer com palavras fortes, o juiz John Gerrard indeferiu a ação por seu “comportamento lascivo”.
Para o juiz Gerrard, não cabe ao tribunal decidir se a homossexualidade é um pecado, segundo informações do Patheos.

Gerrard disse ainda que ele era incompetente para tratar sobre o assunto, e que não se pode processar uma classe de réus não identificados, além do fato que a requerente não havia estabelecido uma basefactual ou jurídica para uma reclamação federal.

“Os Tribunais Federais dos Estados Unidos foram criados para resolver casos reais e controvérsias decorrentes da Constituição e das leis dos Estados Unidos”, disse o juiz Gerrard. “Um Tribunal Federal não é um fórum de debate ou discurso sobre questões teológicas”, acrescentou.

O Tribunal não vai dar à requerente a oportunidade de alterar a sua queixa sobre este assunto, porque a alteração seria inútil do ponto de vista jurídico.

“Mesmo liberalmente interpretada, a demandante não estabelece qualquer reivindicação discernível para o alívio sobre a qual este Tribunal tem competência. Este Tribunal não é o lugar para procurar opiniões sobre questões teológicas; este fórum especial está fechado e o caso vai ser julgado improcedente”, concluiu o juiz.

Via e Via

ATOR PAULO BETTI É AGREDIDO VERBALMENTE POR PAPEL HOMOSSEXUAL

Para entendermos melhor a notícia abaixo, pesquisei do que se trata a antropologia social.

Um antropólogo social estuda o homem e as sociedades humanas na sua vertente cultural.

O que menos se espera de um antropólogo renomado é uma atitude homofóbica, mas foi exatamente o que aconteceu.

Paulo Betti usou sua conta do Facebook para fazer um desabafo. O ator, que viveu o jornalista Téo Pereira na última novela das 21h da Globo, “Império”, afirmou que foi agredido verbalmente pelo antropólogo Roberto da Matta por ter interpretado o personagem homossexual.

O ator disse que revelou a suposta agressão quando foi questionado, por uma ouvinte em um programa de rádio, sobre a repercussão de seu papel na trama de Aguinaldo Silva.

“Perguntado por uma ouvinte num programa da MPB FM se fui agredido por ter feito o personagem gay Teo Pereira, na novela Império, de Aguinaldo Silva, eu já me preparava para responder que não, tal a quantidade de carinho que recebo pelas ruas, quando me lembrei de um fato recente e não pude mentir pra ouvinte que me perguntou e para os ouvintes e disse no ar: fui agredido sim, verbalmente e com muita violência, pelo famoso sociólogo Roberto da Mata, professor e escritor, que na frente da própria esposa, me falou barbaridades contra personagens gays em novelas”, escreveu.

Betti terminou o depoimento se manifestando contra a homofobia: “Não direi as palavras pronunciadas em respeito aos meus amigos do Facebook, mas faço esse breve depoimento em nome da verdade e do respeito que os gays merecem. Contra a homofobia e sabendo mais sobre Roberto da Matta”.

Via e Via

 

ZIRALDO CRITICA FERNANDA MONTENEGRO POR PAPEL GAY

A notícia que li essa semana me surpreendeu negativamente.

Eu esperava que um homem com a carreira de Ziraldo e amigo de cartunistas como os vitimados nos ataques da revista Charlie Hebdo tivesse um pensamento mais moderno.

Ele criticou a novela “Babilônia”, da TV Globo. Ao abordar o tema da homossexualidade, a novela fez o assunto ganhar grandes proporções.

“O problema da homossexualidade é que ela está hiperdimensionada. A TV Globo acha que está fazendo um grande serviço ao ‘modus vivendi’, ao dar chance aos homossexuais de assumirem a sexualidade deles”.

O cartunista, de 82 anos, recorreu ao recente e polêmico episódio sobre a questão no país – a cena do beijo gay entre as atrizes Nathalia Timberg e Fernanda Montenegro, na novela “Babilônia”.

Ainda afirmou que fãs de Fernanda Montenegro estão estarrecidos com seu comportamento na trama “Babilônia”.

“A Fernanda Montenegro não tem direito de fazer apologia do afeto homossexual. Grandes fãs dela estão estarrecidos com isso. E mesmo que ela estivesse pensando em ajudar as mães dos homossexuais… Mas qual é a porcentagem de mães de homossexuais?”, detonou.

Via

 

Deixem suas opiniões e continuemos esperando por dias melhores, para sempre!

Abraços, Sam.

Deixe uma resposta