Drone Boning discute privacidade em pornô gravado usando drones

0
11
views

Se por um lado vivemos a era a superexposição, onde a maioria das pessoas está em alguma rede social postando selfies da sua rotina, por outro lado existe uma crescente preocupação com a invasão de privacidade que a tecnologia proporciona.

No centro dessa questão temos, por exemplo, a invasão dos drones com câmeras, que voam pelos ares filmando a vida alheia com boa qualidade.

Claro que existem restrições e algumas regras para tentar evitar que o voyeurismo capture imagens que deixariam seus alvos desconfortáveis, mas não há como controlar tudo que os indivíduos fazem, e, em algum lugar, sempre terá alguém aprontando com mais esta possibilidade.

Pegando carona nessa onda, surgiu o projeto Drone Boning, um pornô totalmente gravado com o uso destes aparelhos voadores.

O filme é mais poético que erótico, e explora a sensação de pegar casais transando no meio de uma inocente filmagem de paisagens.

Brandon LaGanke, um dos responsáveis pelo projeto, explica o conceito por trás do Drone Boining:

“Queríamos explorar esse conceito de privacidade e ataques com drones – esta ideia de ‘faça pornô, não guerra’. Tudo começou como uma espécie de comentário engraçadinho sobre privacidade e voyeurismo, que logo virou uma base conceitual”.

O filme mostra casais heterossexuais, gays e lésbicos fazendo sexo em lugares como fazendas, praias, montanhas, florestas e até no meio-fio de uma estrada.

Boa parte das cenas são só simulações do ato, mas o importante para a narrativa era explorar o ponto de vista dos drones, como explica John Carlucci, outro responsável pelo projeto:

“Queríamos avaliar o valor artístico desta perspectiva. É um ponto de vista onisciente, de verdade. Filmamos estas cenas em locais que não dava pra se ver muito ali no solo, mas aí você coloca um drone pra voar e consegue ver o que está acontecendo”.

Apesar de ser visualmente atrativo, como pornô ainda não deve ser tendência, uma vez que o ato em si é mais sugestivo do que realmente mostrado.

E, como disse LaGanke:

“Eu nunca filmaria um pornô de verdade assim. Se não dá pra se masturbar assistindo, não é um bom pornô, cara”.

De qualquer jeito, pela poesia visual ou pela provocação ao voyeurismo, é uma obra que vale ser conhecida.

Veja, a seguir, o vídeo de divulgação e algumas imagens do projeto:

E você, o que acha da proposta do filme? Já sentiu essa sensação de insegurança à sua privacidade que a tecnologia pode causar?

Conta para mim o que você acha.

E no mais continuemos firmes e fortes.

Referências
Motherboard; Drone Boning Site; Drone Boning Facebook; Ghost Cow Films Twitter; Ghost Cow Films Instagram; Ghost Cow Vimeo;

Deixe uma resposta