Reduzir a infância adianta alguma coisa?

0
11
views

Um dos temas mais quentes no debate político da atualidade é a discussão da redução da idade para a punição por crimes cometidos. E o debate tem sido muito quente por parte dos que defendem a redução e também por parte dos que não concordam com a medida.

Basicamente hoje no Congresso Nacional há quatro propostas em discussão entre os parlamentares para essa questão sendo elas:

I – Redução da maioridade penal somente aos jovens que cometerem crimes hediondos (como latrocínio e estupro), homicídio doloso (intencional), lesão corporal grave, seguida ou não de morte, e roubo qualificado (com emprego de arma ou participação de dois ou mais agentes). Jovens entre 16 e 18 anos cumpririam a pena em estabelecimento separado dos maiores de 18 anos e dos adolescentes menores de 16 anos;

II – Ampliação de 3 para 10 anos o período máximo de internação de jovens infratores (menores de 18 anos). Poderão ficar mais que 3 anos internados menores que tiverem praticados atos equivalentes a crimes hediondos, como estupro e latrocínio (roubo seguido de morte), e menores que forem reincidentes em infrações cometidas mediante grave ameaça e violência contra a vítima. O projeto também cria um regime especial de internação para abrigar jovens que cometerem infrações equivalentes ao crime hediondo e que tenham completado 18 anos. O texto destaca que o adolescente internado deve participar de atividades pedagógicas e ter direito a trabalho interno e externo, este último mediante autorização judicial;

III – Ampliação de 3 para 8 anos o período máximo de internação do menor infrator. Poderão ficar mais de três anos internados jovens entre 16 e 18 anos que cometerem infrações equivalentes a crime hediondo. O texto prevê a criação do Regime Especial de Atendimento, para o adolescente que completar 18 anos durante a internação e tiver cometido ato infracional equivalente ao crime hediondo. O projeto trata também da punição ao maior de idade que utiliza crianças e adolescentes para cometer crimes. O texto prevê pena de 4 a 8 anos para quem “corromper ou facilitar a corrupção de menor de 18 anos, com ele praticando infração penal ou induzindo-o a praticá-la”. Atualmente a pena para este crime varia de 1 a 4 anos de prisão.

IV – Aumento da pena para adultos que usam crianças ao cometer crimes. A proposta estabelece pena de 2 a 4 anos de prisão para quem “corromper ou facilitar a corrupção de menor de 18 anos, com ele praticando ou induzindo-o a praticar infração penal cuja pena privativa de liberdade seja de até quatro anos”.

Se a pena mínima para o crime cometido somado ao tempo de reclusão previsto para o ato infracional for superior a quatro anos e inferior ou igual a oito anos, a pena prevista ao adulto passa a ser de 4 anos a 8 anos de reclusão.

Por fim, se a pena mínima para o crime cometido somado ao tempo de reclusão previsto para o ato infracional for superior a oito anos, a pena para a corrupção do menor será de 8 a 12 anos de reclusão. Atualmente a punição para quem usa menores no cometimento de crimes é de 1 a 4 anos de reclusão, independentemente da gravidade da infração.

Vou expor meu ponto de vista pessoal sobre o assunto de forma a trazer meus argumentos para reflexão, mas já adianto que reconheço a força dos argumentos contrários e respeito todas as posições, pois essa deve ser a tônica do debate numa democracia.

Sou totalmente contrário à redução da idade para a criminalização, e motivos não me faltam para que eu pense assim.

O primeiro motivo é que as prisões brasileiras e o nosso sistema penal são modelos totalmente falidos, não são ambientes capazes de ressocializar o indivíduo, muito pelo contrário, serve como escola para a carreira do crime. Assim enviar um adolescente de 16 anos para a cadeia só vai acelerar a graduação dele no crime, tornando-o ainda mais perigoso. Dessa forma, sem que haja uma efetiva reforma do sistema prisional estaremos piorando o problema, pois criaremos bandidos ainda mais perigosos no futuro.

Além disso, temos que reconhecer que somos altamente ineficientes na gestão do sistema prisional brasileiro. Quase todas as cadeias e presídios são super lotados, os presos vivem em situação degradantes e não somos nem mais capazes de conter quem já está preso. Assim, aumentar o número de presos só vai agravar um cenário já desesperador.

Devemos nos lembrar que prender um indivíduo não é medida de simples afastamento dessa pessoa da sociedade pra que o tal “homem de bem” possa se ver livre de bandidos no seu dia-a-dia. Isso é elitismo e vontade de esconder os problemas longe dos olhos. Punir alguém tem que ter um caráter educativo e ressocializador, mostrando que a sociedade tem limites, mas que uma vez cumprida a pena ele terá condições de ser uma pessoa melhor e mais educada socialmente falando. E nesse sentido mandar um adolescente para a cadeia não vai cumprir esse papel por total falta de condições. Vamos piorar o problema.

Também somos absolutamente incapazes de policiar, investigar e prender. A polícia tem recursos defasados, métodos arcaicos e pouco treinamento para lidar com a criminalidade. Isso sem falar na corrupção policial. De que adianta criminalizar se não haverá condições de se fazer cumprir as leis? Quem vai investigar, policiar e prender? Onde colocaremos esses novos criminosos? São Paulo é o Estado campeão de crimes não resolvidos, a taxa é absurda!!!! O Rio de Janeiro vem passando por um processo de quartelização de algumas comunidades com as UPPs e o resultado tem sido no mínimo duvidoso, com incontáveis exemplos de abuso policial, mortes desnecessárias e aumento da violência cotidiana. Criminalizar mais pessoas só vai agravar o quadro e aumentar as estatísticas.

Além disso, um dos maiores fomentadores da criminalidade no Brasil é justamente a certeza da impunidade. Saber que há poucas chances de ser penalizado incentiva o crime e isso já ocorre com os maiores de 18 anos, porque seria diferente depois da mudança da lei já que haverá mais criminosos e a estrutura e métodos da polícia e do sistema prisional continuarão os mesmos? Sem investimentos e reformas no sistema a impunidade continuará sendo uma mola propulsora dos crimes, ainda que se baixe a maioridade pra 10 anos de idade.

Se queremos de fato uma efetiva redução da criminalidade infantil temos sim que passar a dar horizontes e perspectivas pra população mais carente. Dar mais e melhores escolas, investir em programas de profissionalização, inserção no mercado de trabalho, melhorar as condições públicas de saúde, transporte e segurança. Esses sim são pontos fundamentais para essa mudança. Além disso o desenvolvimento da cidadania também é imprescindível para isso. A única saída contra a violência é dar perspectivas de futuro e de uma vida melhor, de forma que o jovem perceba que tem uma alternativa viável para a sua vida.

Porém, infelizmente no Brasil da Pátria Educadora, os parlamentares aprovam aumentos em seus salários, benefícios e no fundo partidário, mas não mexem uma palha para dar melhores condições para que a Educação se desenvolva, para que os sistemas de seguridade se tornem mais eficientes e menos garantidores de privilégios individuais, nem se preocupam com dar melhores condições à polícia ou repensar ou melhorar o sistema prisional.

Assim, na minha opinião a redução da maioridade penal não trará nenhum benefício concreto e estaremos apenas deixando de tratar de assuntos muito mais importantes e urgentes para a nossa sociedade. Assim, nesse sentido entendo que nenhuma das propostas em andamento no Congresso Nacional poderá trazer mudanças significativas na redução da criminalidade infantil, representando verdadeiro desserviço ao País.

Deixe uma resposta