5 dimensões da sexualidade que transcendem o binarismo imposto

0
12
views
5 dimensões da sexualidade

Conheça as 5 dimensões da sexualidade humana que transcendem a visão binária imposta em grande parte da nossa sociedade: a expressão de gênero, a identidade de gênero, a orientação romântica, a orientação sexual e a característica biológica.

Sexualidade faz parte de nossa construção e vida. E já sabemos que somos pura transformação, adaptação e diversidade, aliás talvez por isso tenhamos sobrevivido a muitas outras espécies.

Mas quando se trata dela, da nossa sexualidade, a maioria das bandeiras se levantam com apenas duas cores: azul para meninos e rosa para meninas.

Como se identidades e comportamentos fossem intrínsecos, vemos a defesa do hipermasculino e do hiperfeminino com brados como “homem não chora”, “ela já sabe cozinhar, está pronta para casar”, e muitas outras crendices populares.

Assim a sociedade vai ficando doente, presa a moldes impossíveis que restringe a totalidade e a diversidade de cada um, em prol de criar uma série de pessoas-produtos que devem atender as especificações de mercado sobre como agir, o que falar e com quem se relacionar.

E quem ganha com isso?

Talvez só a indústria farmacêutica dos remédios controlados, que vem se tornando nossa mais importante aliada para controlar ansiedades, depressão, ataques de pânico, violência, frustração, perda de sentido, entre outros.

A maioria das religiões, amedrontadas em perder sua relevância num mundo que se transforma constantemente e se liquidifica em mil caminhos, tenta se apoiar em uma visão conservadora como único viés possível, ganhando naqueles que se acomodam em zonas de conforto pré-moldadas – menos trabalhosas e dolorosas que a mudança e o autoconhecimento – seus adeptos mais fervorosos.

E assim, o binarismo vem ganhando força para que só dois lados lutem um contra o outro, em uma batalha rasa, sem debate e com muitas frases prontas – tal qual vemos nas discussões sobre política, que de política tem bem pouco.

O interessante é que o prejudicial binarismo e seus derivados no campo da sexualidade e identidade de gênero é desafiado já há muito tempo, se pensarmos, por exemplo, no levante feminino que defendeu a igualdade dos gêneros, já vemos um movimento de libertação abrindo caminho em um mundo quase monocromático.

A mulher saindo do âmbito da casa e entrando no mercado de trabalho, fenômeno bem observado na Segunda Guerra Mundial, abriu a porta para novos paradigmas que desafiaram a soberania masculina, em uma luta que continua até hoje.

E este foi um dos mais importantes gestos para a sociedade começar a se transformar. O choque de papeis pré-definidos, ainda defendido pelos mais conservadores e medrosos de mudança, colocou luz sobre questões fabricadas pela mente de poucos para controlar muitos.

A própria ciência e seus estudos escancarando o armário dessas crenças, debateu as ideologias demonstrando que quase tudo é cultura, e de natureza humana – no sentido mais purista do conceito – já temos bem pouco.

Desse modo, já sabemos que papeis são culturais, definidos pela nossa sagacidade mental, capaz de ler e recriar os parâmetros de nossa própria existência.

Assim sendo, vale a provocação: Por que não aceitar a nossa pluralidade, abrindo espaço para evoluções e mudanças ainda nem imaginadas, apenas permitindo as pessoas serem o que são?

Veja, tirando sua genitália que te define entre dois âmbitos: macho e fêmea, todo o resto se baseia em construção cultural.

Em recente estudo, a consultoria Diip.co apresentou algumas dimensões possíveis para as características humanas. Porém longe de ser um manual definitivo com novas caixas para nos enquadrarmos, é apenas um guia inicial para vermos além do binário.

Acredito, particularmente, no dia em que essas caixas serão abandonadas e seremos vistos como únicos, seres vivos livres para serem o que são e reinventarem quando quiserem.

Um dia, espero, heterossexual, homossexual, bissexual ou outros termos sejam palavras distantes de classificações não mais necessárias.

Mas, enquanto isso, pelos menos abrimos nossa mente para a pluralidade dos seres humanos e suas expressões, nos permitindo acrescentar um mundo de cores novas nessas bandeiras apenas azul e rosa.

As 5 dimensões da sexualidade:

1. Expressão de gênero

É a forma como você age, se veste, se comunica e como essas características são interpretadas baseadas em normas de gênero.

Algumas expressões mapeadas atualmente são:

Andrógena – Se veste, age e se comunica com características interpretadas como masculinas e femininas;

Feminina – Se veste, age e se comunica com características interpretadas como feminina;

Masculina – Se veste, age e se comunica com características interpretadas como masculinas;

Neutra – Se veste, age e se comunica com características indefinível entre masculinas ou femininas;

[Ou descreva sua própria expressão de gênero].

2. Identidade de gênero

É o gênero com o qual você se identifica. A identidade de gênero pode ser igual ou diferente do gênero que foi designado a você no nascimento.

Algumas identidades de gênero mapeadas atualmente são:

Agênero – No nascimento foi designado como homem ou mulher e agora prefere não se identificar com nenhum dos dois;

Fluído – No nascimento foi designado como homem ou mulher e agora ora se identifica como homem, ora se identifica como mulher;

Genderful – No nascimento foi designada como homem ou mulher e agora se identifica como homem e mulher;

Homem Cis – No nascimento foi designado como homem e agora se identifica como homem;

Homem Trans – No nascimento foi designada como mulher e agora se identifica como homem;

Mulher Cis – No nascimento foi designada como mulher e agora se identifica como mulher;

Mulher Trans – No nascimento foi designado como homem e agora se identifica como mulher;

[Ou descreva sua própria identidade de gênero].

3. Orientação romântica

É relacionado ao gênero pelo qual você sente atração romântica/afetiva.

Algumas orientações românticas mapeadas atualmente são:

Arromântica – Quando você não sente atração romântica/afetiva.

Birromântica – Quando você sente atração romântica/afetiva por um gênero diferente do seu e também por um gênero igual ao seu.

Fluída – Quando você sente atração romântica/afetiva ora por um gênero diferente do seu, ora por um gênero igual ao seu.

Heterorromântica – Quando você sente atração romântica/afetiva por um gênero diferente do seu.

Homorromântica – Quando você sente atração romântica/afetiva por um gênero igual do seu.

Panrromântica – Quando você sente atração romântica/afetiva por vários gêneros.

[Ou descreva sua própria orientação romântica].

4. Orientação sexual

É relacionado ao gênero pelo qual você sente atração sexual.

Algumas orientações sexuais mapeadas atualmente são:

Assexual – Quando você não sente atração sexual.

Bissexual – Quando você sente atração sexual por um gênero diferente do seu e também por um gênero igual ao seu.

Celibatária – Quando você opta por não se relacionar sexualmente, mesmo sentindo atração sexual.

G0Y (HSH) – Quando você é homem e sente atração sexual por outros homens, mas mantém relações sexuais só sem penetração.

Heterossexual – Quando você se sente atração sexual por um gênero diferente do seu.

Homossexual – Quando você se sente atração sexual por um gênero igual ao seu.

Panssexual – Quando você sente atração sexual por vários gêneros.

[Ou descreva sua própria orientação sexual].

5. Sexo biológico

Características físicas que carregamos desde o nascimento, como órgãos genitais, hormônios e cromossomos.

Sexo biológicos mapeados atualmente:

Fêmea – Genitália feminina e linha cromossomos XX.

Macho – Genitália masculina e linha de cromossomos XY.

Intersexo – Variações congenitais de anatomia sexual ou reprodutiva que não se encaixam nas definições tradicionais de fêmea ou macho.

E essas são algumas das dimensões possíveis, delas é possível se multiplicar várias outras.

Acredito que o mais relevante é se manter aberto e abraçar o diferente e o plural da nossa própria espécie.

Eu mesmo, até ter acesso a essa pesquisa, sabia pouco sobre o tamanho da nossa diversidade e ainda tenho certa dificuldade em entender algumas dessas dimensões, contudo estou aberto para aprender mais e dialogar sobre elas.

Contudo, definitivamente eu me conheci melhor ao ter acesso a esse estudo e percebi poder ser muito mais do que sou.

Nesse sentido, hoje estou mais aberto e propício para expandir minha própria existência, minha expressão e minha ação no mundo.

E assim, continuemos firmes e fortes nas nossas batalhas.


ATUALIZAÇÃO EM 10 DE JULHO

Recebemos a dica da imagem abaixo, com o biscoito da sexualidade, de um dos nossos amigos do grupo e eu achei tão bacana que resolvi adicionar aqui também:

5 dimensões da sexualidade humana

Referências
diip.co; Meus Pequenos Venenos;

Deixe uma resposta